Rogaciano Leite

Brasil — Poeta e jornalista

1 Jul 1920 // 7 Out 1969

57 Poemas

  • Previous
  • Page 3 of 6
  • Next

  • Poemas

    Os Mortos de Pistóia

    Rogaciano Leite
    (Aos expedicionários brasileiros)

    E esses Leandros do Helesponto novo
    Se resvalaram — foi no chão da História…
    Se tropeçaram — foi na Eternidade…
    Se naufragaram — foi no mar da ...

    Leia mais


    Com tua Imagem na Memória

    Rogaciano Leite
    (À Nilda)

    Meu quarto está gelado de Saudade!
    As cortinas imóveis… sobre tudo
    Desce a tristeza… Meu canário, mudo,
    Já não vê quando chega a claridade!

    Que silêncio mortal! Nem ...

    Leia mais


    Núpcias

    Rogaciano Leite
    Meia-luz... Perfume... Flores…
    Um leito de róseas cores…
    Um “Não” um “Sim…” e depois?...
    Olhos entre amor e mágoa
    E um fio trêmulo d’água
    Molhando a face dos dois!

    Depois… ...

    Leia mais


    Solar da Fraternidade

    Rogaciano Leite
    (À Casa Juvenal Galeno)

    Aqui, confundem-se o herói e o sábio!
    A Ciência brilha — se a Bravura esplende,
    A pena escreve — se lampeja a espada,
    E chora o ...

    Leia mais


    Tu Vais, Avezinha? Vais?...

    Rogaciano Leite
    (Depois de ler Marília de Dirceu)

    Ó mimoso passarinho
    Que guardas teu meigo ninho
    Suspenso nos matagais!
    Vai levar à minha amada
    Esta cartinha orvalhada
    De saudades imortais!
    Tu vais, ...

    Leia mais


    Eulália

    Rogaciano Leite
    Deixei-a solitária, por uns dias,
    Enquanto melhorava do ciúme,
    E saí pra evitar muitas porfias
    Que entre nós já se davam — de costume.

    Nesse tempo eu andava arruinado!
    As ...

    Leia mais


    Impossível

    Rogaciano Leite
    Tudo findo. Deixaste-me e seguiste
    O primeiro que veio ao teu caminho;
    Não pensaste sequer que fiquei triste,
    Preso à desgraça de viver sozinho!

    Dois longos anos!... Nunca mais me ...

    Leia mais


    O Regresso da Morta

    Rogaciano Leite
    Depois de um ano ela voltou! Cavados
    Trazia os olhos numa funda prece,
    Como se neles pernoitado houvesse
    Uma vil caravana de pecados...

    Tinha os cabelos inda oxigenados
    E as ...

    Leia mais


    Destinos

    Rogaciano Leite
    Ontem: — Dois grandes destinos,
    Dois pensamentos divinos,
    Dois alegres ideais…
    Hoje: — Dois olhos tristonhos,
    Duas mortalhas de sonhos,
    Cinza de amor… nada mais!

    Ontem: — Nossas mãos unidas ...

    Leia mais


    Acorda, Castro Alves!

    Rogaciano Leite
    (No Centenário do Poeta)

    Condor, que é de tuas asas
    Que os astros arremessaram?
    As plumas da águia soberba
    Que no infinito brilharam?
    Que é do teu grito altaneiro
    Que ...

    Leia mais


  • Previous
  • Page 3 of 6
  • Next