O Regresso da Morta
Rogaciano Leite
Depois de um ano ela voltou! Cavados
Trazia os olhos numa funda prece,
Como se neles pernoitado houvesse
Uma vil caravana de pecados...

Tinha os cabelos inda oxigenados
E as feições de boneca de quermesse;
Os lírios puros que a inocência aquece
Vinham-lhe n’alma — rotos e manchados!

Pediu que a recebesse novamente,
Pois trazia — na dor que as almas corta —
O corpo exausto e o coração descrente...

Beijei-lhe os dedos e lhe abri a porta;
Mas antes de cruzar o meu batente
Desmaiou nos meus braços… vinha morta!

Rio de Janeiro, junho de 1949.