Marquesa Alorna

Portugal — Poeta/Pedagoga

1750 // 1839

12 Poemas

Principais Poemas

Pára, Funesto Destino

Marquesa Alorna

Pára, funesto destino,

Respeita a minha constância;

Pouco vences, se não vences

De minha alma a tolerância.


Se eu sobrevivo aos estragos

Dos males que me fizeste,

Inutil é combater-me ...

Leia mais


Sonho

Marquesa Alorna

Perdoa, Amor, se não quero

Aceitar novo grilhão;

Quando quebraste o primeiro,

Quebraste-me o coração.


Olha, Amor, tem dó de mim!

Repara nos teus estragos,

E desvia por piedade

Teus ...

Leia mais


Eu Cantarei um Dia da Tristeza

Marquesa Alorna

Eu cantarei um dia da tristeza

por uns termos tão ternos e saudosos,

que deixem aos alegres invejosos

de chorarem o mal que lhes não pesa.


Abrandarei das penhas a ...

Leia mais


Se me Aparto de ti, Deus da Bondade

Marquesa Alorna

Se me aparto de ti, Deus da bondade,

Que ausência tão cruel! Como é possível

Que me leve a um abismo tão terrível

O pendor infeliz da humanidade!


Conforta-me, Senhor ...

Leia mais


Como Está Sereno o Céu

Marquesa Alorna

Como está sereno o céu,

como sobe mansamente

a Lua resplandecente

e esclarece este jardim!


Os ventos adormeceram;

das frescas águas do rio

interrompe o murmúrio

de longe o som ...

Leia mais


Mais poemas de Marquesa Alorna