Machado de Assis

Brasil — Escritor

21 Jun 1839 // 29 Set 1908

Foi um enxadrista, contador e escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura brasileira. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários. Suas principais obras são Mémorias Póstumas de Brás Cubas (1880) e Dom Casmurro (1899). Fonte: Wikipedia.

55 Poemas

  • Previous
  • Page 2 of 6
  • Next

  • Poemas

    Horas Vivas

    Machado de Assis
    Noite: abrem-se as flores...
              Que esplendores!
    Cíntia sonha amores
              Pelo céu.
    Tênues as neblinas
              Às campinas
    Descem das colinas,
              Como um véu.

    Mãos em mãos travadas,
              Animadas,
    Vão aquelas fadas…

    Leia mais


    Lua Nova

    Machado de Assis
    Mãe dos frutos, Jaci, no alto espaço
    Ei-la assoma serena e indecisa:
    Sopro é dela esta lânguida brisa
    Que sussurra na terra e no mar.
    Não se mira nas águas…

    Leia mais


    Última Folha

    Machado de Assis
    Musa, desce do alto da montanha
    Onde aspiraste o aroma da poesia,
    E deixa ao eco dos sagrados ermos
    A última harmonia.

    Dos teus cabelos de ouro, que beijavam
    Na…

    Leia mais


    Os Arlequins - Sátira

    Machado de Assis
    Musa, depõe a lira!
    Cantos de amor, cantos de glória esquece!
    Novo assunto aparece
    Que o gênio move e a indignação inspira.
    Esta esfera é mais vasta,
    E vence a…

    Leia mais


    Os Semeadores

    Machado de Assis
    Vós os que hoje colheis, por esses campos largos,
    O doce fruto e a flor,
    Acaso esquecereis os ásperos e amargos
    Tempos do semeador?

    Rude era o chão; agreste e…

    Leia mais


    Musa dos Olhos Verdes

    Machado de Assis
    Musa dos olhos verdes, musa alada,
    Ó divina esperança,
    Consolo do ancião no extremo alento,
    E sonho da criança;

    Tu que junto do berço o infante cinges
    C’os fúlgidos cabelos;…

    Leia mais


    Aspiração

    Machado de Assis
    Sinto que há na minha alma um vácuo imenso e fundo,
    E desta meia morte o frio olhar do mundo
    Não vê o que há de triste e de real…

    Leia mais


    Visio

    Machado de Assis
    Eras pálida. E os cabelos,
    Aéreos, soltos novelos,
    Sobre as espáduas caíam...
    Os olhos meio cerrados
    De volúpia e de ternura
    Entre lágrimas luziam...
    E os braços entrelaçados,
    Como cingindo…

    Leia mais


    Stella

    Machado de Assis
    Já raro e mais escasso
    A noite arrasta o manto,
    E verte o último pranto
    Por todo o vasto espaço.

    Tíbio clarão já cora
    A tela do horizonte,
    E já…

    Leia mais


    Noivado

    Machado de Assis
    Vês, querida, o horizonte ardendo em chamas?
    Além desses outeiros
    Vai descambando o sol, e à terra envia
    Os raios derradeiros;
    A tarde, como noiva que enrubesce,
    Traz no rosto…

    Leia mais


  • Previous
  • Page 2 of 6
  • Next