Machado de Assis

Brasil — Escritor

21 Jun 1839 // 29 Set 1908

Foi um enxadrista, contador e escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura brasileira. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários. Suas principais obras são Mémorias Póstumas de Brás Cubas (1880) e Dom Casmurro (1899). Fonte: Wikipedia.

55 Poemas

Page 1 of 6
  • Next

  • Poemas

    Horas Vivas

    Machado de Assis
    Noite: abrem-se as flores...
              Que esplendores!
    Cíntia sonha amores
              Pelo céu.
    Tênues as neblinas
              Às campinas
    Descem das colinas,
              Como um véu.

    Mãos em mãos travadas,
              Animadas,
    Vão aquelas fadas ...

    Leia mais


    Ruínas

    Machado de Assis
    Cobrem plantas sem flor crestados muros;
    Range a porta anciã; o chão de pedra
    Gemer parece aos pés do inquieto vate.
    Ruína é tudo: a casa, a escada, o horto ...

    Leia mais


    As Ventoinhas

    Machado de Assis
    A mulher é um catavento,
    Vai ao vento,
    Vai ao vento que soprar;
    Como vai também ao vento
    Turbulento,
    Turbulento e incerto o mar.

    Sopra o sul: a ventoinha
    Volta ...

    Leia mais


    A Elvira

    Machado de Assis
    (Lamartine)

    Quando, contigo a sós, as mãos unidas,
    Tu, pensativa e muda; e eu, namorado,
    Às volúpias do amor a alma entregando,
    Deixo correr as horas fugidias;
    Ou quando ‘as ...

    Leia mais


    Lágrimas de Cera

    Machado de Assis
    Passou; viu a porta aberta.
    Entrou; queria rezar.
    A vela ardia no altar.
    A igreja estava deserta.

    Ajoelhou-se defronte
    Para fazer a oração;
    Curvou a pálida fronte
    E pôs os ...

    Leia mais


    Flor da Mocidade

    Machado de Assis
    Eu conheço a mais bela flor;
    És tu, rosa da mocidade,
    Nascida, aberta para o amor.
    Eu conheço a mais bela flor.
    Tem do céu a serena cor,
    E o ...

    Leia mais


    Lúcia

    Machado de Assis
    (Alfred de Musset)

    Nós estávamos sós; era de noite;
    Ela curvara a fronte, e a mão formosa,
    Na embriaguez da cisma,
    Tênue deixava errar sobre o teclado;
    Era um murmúrio ...

    Leia mais


    Musa Consolatrix

    Machado de Assis
    Que a mão do tempo e o hálito dos homens
    Murchem a flor das ilusões da vida,
    Musa consoladora,
    É no teu seio amigo e sossegado
    Que o poeta respira ...

    Leia mais


    A Jovem Cativa

    Machado de Assis
    (André Chenier)

    — “Respeita a foice a espiga que desponta;
    Sem receio ao lagar o tenro pâmpano
    Bebe no estio as lágrimas da aurora;
    Jovem e bela também sou; turvada
    A ...

    Leia mais


    Cantiga do Rosto Branco

    Machado de Assis
    Rico era o rosto branco; armas trazia,
    E o licor que devora e as finas telas;
    Na gentil Tibeima os olhos pousa,
    E amou a flor das belas.

    “Quero-te!” disse ...

    Leia mais


    Page 1 of 6
  • Next