João Deus

Portugal — Poeta/Pedagogo

8 Mar 1830 // 11 Jan 1896

38 Poemas

Page 1 of 4
  • Next

  • Poemas

    Beijo

    João Deus
    Beijo na face
    Pede-se e dá-se:
    Dá?
    Que custa um beijo?
    Não tenha pejo:
    Vá!

    Um beijo é culpa,
    Que se desculpa:
    Dá?
    A borboleta
    Beija a violeta:
    Vá!

    Um…

    Leia mais


    O Dinheiro

    João Deus
    O dinheiro é tão bonito,
    Tão bonito, o maganão!
    Tem tanta graça, o maldito,
    Tem tanto chiste, o ladrão!
    O falar, fala de um modo...
    Todo ele, aquele todo...
    E…

    Leia mais


    Mãe e Filho

    João Deus
    Primícias do meu amor!
    Meu filhinho do meu seio
    Tenro fruto que à luz veio
    Como à luz da aurora a flor!

    Na tua face inocente,
    De teu pai a…

    Leia mais


    A Caridade

    João Deus
    Eu podia falar todas as línguas
    Dos homens e dos anjos;
    Logo que não tivesse caridade,
    Já não passava de um metal que tine,
    De um sino vão que soa.…

    Leia mais


    Amo-te Muito, Muito!

    João Deus
    Amo-te muito, muito!
    Reluz-me o paraíso
    Num teu olhar fortuito,
    Num teu fugaz sorriso!

    Quando em silêncio finges
    Que um beijo foi furtado
    E o rosto desmaiado
    De cor-de-rosa tinges,…

    Leia mais


    Melancolia

    João Deus
    Oh dôce luz! oh lua!
    Que luz suave a tua,
    E como se insinua
    Em alma que fluctua
    De engano em desengano!
    Oh creação sublime!
    A tua luz reprime
    As…

    Leia mais


    Saudade

    João Deus
    Tu és o cálix;
    Eu, o orvalho!
    Se me não vales,
    Eu o que valho?

    Eu se em ti caio
    E me acolheste
    Torno-me um raio
    De luz celeste!

    Tu…

    Leia mais


    Primeiro Amor

    João Deus
    Ó Mãe... de minha mãe!
    Explica-me o segredo
    Que eu mesmo a Deus sem medo
    Não ia confessar:
    Aquele seu olhar
    Persegue-me, e receio,
    Pressinto no meu seio
    Ergue-se-me outro…

    Leia mais


    Avarento

    João Deus
    Puxando um avarento de um pataco
    Para pagar a tampa de um buraco
    Que tinha já nas abas do casaco,
    Levanta os olhos, vê o céu opaco,
    Revira-os fulo e…

    Leia mais


    Perdão!

    João Deus
    Seria o beijo
    Que te pedi,
    Dize, a razão
    (outra não vejo)
    Por que perdi
    Tanta afeição?
    Fiz mal, confesso;
    Mas esse excesso,
    Se o cometi,
    Foi por paixão,
    Sim,…

    Leia mais


    Page 1 of 4
  • Next