Olavo Bilac

Brasil — Poeta/Jornalista

16 Dez 1865 // 28 Dez 1918

102 Poemas

  • Previous
  • Page 2 of 11
  • Next

  • Poemas

    A Voz do Amor

    Olavo Bilac
    Nessa pupila rútila e molhada,
    Refúgio arcano e sacro da Ternura,
    A ampla noite do gozo e da loucura
    Se desenrola, quente e embalsamada.

    E quando a ansiosa vista desvairada…

    Leia mais


    Baladas Românticas - Verde...

    Olavo Bilac
    Como era verde este caminho!
    Que calmo o céu! que verde o mar!
    E, entre festões, de ninho em ninho,
    A Primavera a gorjear!...
    Inda me exalta, como um vinho,…

    Leia mais


    Velha Página

    Olavo Bilac
    Chove. Que mágoa lá fora!
    Que mágoa! Embruscam-se os ares
    Sobre este rio que chora
    Velhos e eternos pesares.

    E sinto o que a terra sente
    E a tristeza que…

    Leia mais


    Requiescat

    Olavo Bilac
    Por que me vens, com o mesmo riso,
    Por que me vens, com a mesma voz,
    Lembrar aquele Paraíso,
    Extinto para nós?

    Por que levantas esta lousa?
    Por que, entre…

    Leia mais


    Inania Verba

    Olavo Bilac
    Ah! quem há de exprimir, alma impotente e escrava,
    O que a boca não diz, o que a mão não escreve?
    - Ardes, sangras, pregada a' tua cruz, e, em…

    Leia mais


    Tédio

    Olavo Bilac
    Sobre minh'alma, como sobre um trono,
    Senhor brutal, pesa o aborrecimento.
    Como tardas em vir, último outono,
    Lançar-me as folhas últimas ao vento!

    Oh! dormir no silêncio e no abandono,…

    Leia mais


    Olavo Bilac
    Este, que um deus cruel arremessou à vida,
    Marcando-o com o sinal da sua maldição,
    - Este desabrochou como a erva má, nascida
    Apenas para aos pés ser calcada no…

    Leia mais


    Surdina

    Olavo Bilac
    No ar sossegado um sino canta,
    Um sino canta no ar sombrio...
    Pálida, Vênus se levanta...
    Que frio!

    Um sino canta. O campanário
    Longe, entre névoas, aparece...
    Sino, que cantas…

    Leia mais


    Vanitas

    Olavo Bilac
    Cego, em febre a cabeça, a mão nervosa e fria,
    Trabalha. A alma lhe sai da pena, alucinada,
    E enche-lhe, a palpitar, a estrofe iluminada
    De gritos de triunfo e…

    Leia mais


    Incontentado

    Olavo Bilac
    Paixão sem grita, amor sem agonia,
    Que não oprime nem magoa o peito,
    Que nada mais do que possui queria,
    E com tão pouco vive satisfeito.

    Amor, que os exageros…

    Leia mais


  • Previous
  • Page 2 of 11
  • Next