Manuel Bocage

Portugal — Poeta

15 Set 1765 // 21 Dez 1805

36 Poemas

Page 1 of 4
  • Next

  • Poemas

    Nascemos para Amar

    Manuel Bocage

    Nascemos para amar; a Humanidade

    Vai, tarde ou cedo, aos laços da ternura.

    Tu és doce atractivo, ó Formosura,

    Que encanta, que seduz, que persuade.


    Enleia-se por gosto a liberdade ...

    Leia mais


    O Leão e o Porco

    Manuel Bocage

    O rei dos animais, o rugidor leão,

    Com o porco engraçou, não sei por que razão.

    Quis empregá-lo bem para tirar-lhe a sorna

    (A quem torpe nasceu nenhum enfeite adorna ...

    Leia mais


    Morte, Juízo, Inferno e Paraíso

    Manuel Bocage

    Em que estado, meu bem, por ti me vejo,

    Em que estado infeliz, penoso e duro!

    Delido o coração de um fogo impuro,

    Meus pesados grilhões adoro e beijo.


    Quando ...

    Leia mais


    És dos Céus o Composto Mais Brilhante

    Manuel Bocage

    Marília, nos teus olhos buliçosos

    Os Amores gentis seu facho acendem;

    A teus lábios, voando, os ares fendem

    Terníssimos desejos sequiosos.


    Teus cabelos subtis e luminosos

    Mil vistas cegam, mil ...

    Leia mais


    Nada se Pode Comparar Contigo

    Manuel Bocage

    O ledo passarinho, que gorjeia

    D'alma exprimindo a cândida ternura;

    O rio transparente, que murmura,

    E por entre pedrinhas serpenteia;


    O Sol, que o céu diáfano passeia,

    A Lua ...

    Leia mais


    Camões, Grande Camões, quão Semelhante

    Manuel Bocage

    Camões, grande Camões, quão semelhante

    Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!

    Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,

    Arrostar co'o sacrílego gigante;


    Como tu, junto ao Ganges ...

    Leia mais


    A Negra Fúria Ciúme

    Manuel Bocage

    Morre a luz, abafa os ares

    Horrendo, espesso negrume,

    Apenas surge do Averno

    A negra fúria Ciúme.


    Sobre um sólio cor da noite

    Jaz dos Infernos o Nurne,

    E a ...

    Leia mais


    A Rosa

    Manuel Bocage

    Tu, flor de Vénus,

    Corada Rosa,

    Leda, fragrante,

    Pura, mimosa,


    Tu, que envergonhas

    As outras flores,

    Tens menos graça

    Que os meus amores.


    Tanto ao diurno

    Sol coruscante

    Cede a ...

    Leia mais


    Sátira

    Manuel Bocage

    Besta e mais besta! O positivo é nada...

    (Perdoa, se em gramática te falo,

    Arte que ignoras, como ignoras tudo.)

    Besta e mais besta! Na palavra embirro;

    Que a besta ...

    Leia mais


    Meu Ser Evaporei na Luta Insana

    Manuel Bocage

    Meu ser evaporei na luta insana

    Do tropel de paixões que me arrastava:

    Ah! cego eu cria, ah! mísero eu sonhava

    Em mim quasi imortal a essência humana!


    De que ...

    Leia mais


    Page 1 of 4
  • Next