Gregório De Matos

Brasil — Advogado e poeta

23 Dez 1636 // 26 Nov 1696

39 Poemas

Page 1 of 4
  • Next

  • Poemas

    A S Francisco Tomando o Poeta o Habito de Terceyro

    Gregório De Matos
    Ó magno serafim, que a Deus voaste
    Com asas de humildade, e paciência,
    E absorto já nessa divina essência
    Logras o eterno bem, a que aspiraste:

    Pois o caminho aberto ...

    Leia mais


    Descreve a Vida Escolástica

    Gregório De Matos
    Mancebo sem dinheiro, bom barrete,
    Medíocre o vestido, bom sapato,
    Meias velhas, calção de esfola-gato,
    Cabelo penteado, bom topete.

    Presumir de dançar, cantar falsete,
    Jogo de fidalguia, bom barato,
    Tirar ...

    Leia mais


    Novas do Mundo que Lhe Pediu por Carta um Amigo de Fora por Ocasião da Frota

    Gregório De Matos
    França está mui doente das ilhargas,
    Inglaterra tem dores de cabeça,
    Purga-se Holanda, e temo lhe aconteça
    Ficar debilitada com descargas.

    Alemanha lhe aplica ervas amargas,
    Botões de fogo, com ...

    Leia mais


    No Fluxo e Refluxo das Marés Encontra o Poeta Incentivo para Recordar Seus Males

    Gregório De Matos
    Seis horas enche e outras tantas vaza
    A maré pelas margens do Oceano,
    E não larga a tarefa um ponto no ano,
    Depois que o mar rodeia, o sol abrasa ...

    Leia mais


    No Dia Em Que Fazia Anos

    Gregório De Matos
    No Dia Em Que Fazia Anos Esta Divina Beleza; Este Portento De Formosura Dona Angela, Por Quem o Poeta Se Considerava Amorosamente Perdido, e Quase Sem Remédio Pela Grande Impossibilidade ...

    Leia mais


    Moraliza o Poeta nos Ocidentes do Sol a Inconstância dos Bens do Mundo

    Gregório De Matos
    Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
    Depois da Luz se segue a noite escura,
    Em tristes sombras morre a formosura,
    Em contínuas tristezas a alegria.

    Porém ...

    Leia mais


    Lisonjeia Outra Vez Impaciente a Retenção de Sua Mesma Desgraça

    Gregório De Matos
    Discreta, e formosíssima Maria, Enquanto estamos vendo a qualquer hora Em tuas faces a rosada Aurora, Em teus olhos, e boca o Sol, e o dia: Enquanto com gentil descortesia ...

    Leia mais


    Liras

    Gregório De Matos
    Oh não te espantes não, notomia,
    Que se atreva a Bahia
    Com oprimida voz, com plectro esquio
    Cantar ao mundo teu rico feitio,
    Que é já velho em Poetas elegantes ...

    Leia mais


    FlNGINDO O POETA QUE ACODE PELAS HONRAS

    Gregório De Matos
    DA CIDADE,ENTRA A FAZER JUSTIÇA EM SEUS
    MORADORES, ASSINALANDO-LHES OS VICIOS,
    EM QUE ALGUNS DELES SE DEPRAVAVAM

    Uma cidade tão nobre,
    uma gente tão honrada
    veja-se um dia louvada ...

    Leia mais


    Finge que Defende a Honra da Cidade e Aponto os Vícios de Seus Moradores

    Gregório De Matos
    Uma cidade tão nobre,
    uma gente tão honrada
    veja-se um dia louvada
    desde o mais rico ao mais pobre:
    cada pessoa o seu cobre,
    mas se o diabo me atiça ...

    Leia mais


    Page 1 of 4
  • Next