Carlos Drummond de Andrade

Brasil — Escritor/Poeta/Cronista

31 Out 1902 // 17 Ago 1987

Foi um poeta, contista e cronista brasileiro, considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX. Drummond foi um dos principais poetas da segunda geração do Modernismo brasileiro. Sua principal obra é A Rosa do Povo (1945). Fonte: Wikipedia.

135 Poemas

Page 1 of 14
  • Next

  • Poemas

    Para Sempre

    Carlos Drummond de Andrade
    Por que Deus permite
    que as mães vão-se embora?
    Mãe não tem limite,
    é tempo sem hora,
    luz que não apaga
    quando sopra o vento
    e chuva desaba,
    veludo escondido…

    Leia mais


    As Sem Razões do Amor

    Carlos Drummond de Andrade
    Eu te amo porque te amo.
    Não precisas ser amante,
    e nem sempre sabes sê-lo.
    Eu te amo porque te amo.
    Amor é estado de graça
    e com amor não…

    Leia mais


    Ainda que Mal

    Carlos Drummond de Andrade
    Ainda que mal pergunte,
    ainda que mal respondas;
    ainda que mal te entenda,
    ainda que mal repitas;
    ainda que mal insista,
    ainda que mal desculpes;
    ainda que mal me exprima,…

    Leia mais


    O Tempo Passa? Não Passa

    Carlos Drummond de Andrade
    O tempo passa? Não passa
    no abismo do coração.
    Lá dentro, perdura a graça
    do amor, florindo em canção.

    O tempo nos aproxima
    cada vez mais, nos reduz
    a um…

    Leia mais


    Ausência

    Carlos Drummond de Andrade
    Por muito tempo achei que a ausência é falta.
    E lastimava, ignorante, a falta.
    Hoje não a lastimo.
    Não há falta na ausência.
    A ausência é um estar em mim.…

    Leia mais


    Irmão, Irmãos

    Carlos Drummond de Andrade
    Cada irmão é diferente.
    Sozinho acoplado a outros sozinhos.
    A linguagem sobe escadas, do mais moço,
    ao mais velho e seu castelo de importância.
    A linguagem desce escadas, do mais…

    Leia mais


    Viver

    Carlos Drummond de Andrade
    Mas era apenas isso,
    era isso, mais nada?
    Era só a batida
    numa porta fechada?

    E ninguém respondendo,
    nenhum gesto de abrir:
    era, sem fechadura,
    uma chave perdida?

    Isso, ou…

    Leia mais


    O Amor Bate na Porta

    Carlos Drummond de Andrade
    Cantiga do amor sem eira
    nem beira,
    vira o mundo de cabeça
    para baixo,
    suspende a saia das mulheres,
    tira os óculos dos homens,
    o amor, seja como for,
    é…

    Leia mais


    O Novo Homem

    Carlos Drummond de Andrade
    O homem será feito
    em laboratório.
    Será tão perfeito como no antigório.
    Rirá como gente,
    beberá cerveja
    deliciadamente.
    Caçará narceja
    e bicho do mato.
    Jogará no bicho,
    tirará retrato
    com…

    Leia mais


    Quero

    Carlos Drummond de Andrade
    Quero que todos os dias do ano
    todos os dias da vida
    de meia em meia hora
    de 5 em 5 minutos
    me digas: Eu te amo.

    Ouvindo-te dizer: Eu…

    Leia mais


    Page 1 of 14
  • Next