Sá Miranda

Portugal — Poeta

28 Ago 1481 // 15 Mar 1558

15 Poemas

Page 1 of 2
  • Next

  • Poemas

    Que Farei quando Tudo Arde?

    Sá Miranda
    Desarrezoado amor, dentro em meu peito,
    tem guerra com a razão. Amor, que jaz
    i já de muitos dias, manda e faz
    tudo o que quer, a torto e a…

    Leia mais


    Comigo me Desavim

    Sá Miranda
    Comigo me desavim,
    Sou posto em todo perigo;
    Não posso viver comigo
    Nem posso fugir de mim.

    Com dor da gente fugia,
    Antes que esta assi crecesse:
    Agora já fugiria…

    Leia mais


    Ó Meus Castelos de Vento

    Sá Miranda
    Ó meus castelos de vento
    que em tal cuita me pusestes,
    como me vos desfizestes!

    Armei castelos erguidos,
    esteve a fortuna queda,
    e disse:– Gostos perdidos,
    como is a dar…

    Leia mais


    Esparsa

    Sá Miranda
    Não vejo o rosto a ninguém,
    cuidais que sou, e não sou.
    Sombras que não vão nem vêm,
    parece que avante vão.
    Entre o doente e o são
    mente cada…

    Leia mais


    Aquela Fé tão Clara e Verdadeira

    Sá Miranda
    Aquela fé tão clara e verdadeira,
    A vontade tão limpa e tão sem mágoa,
    Tantas vezes provada em viva frágua
    De fogo, i apurada, e sempre inteira;

    Aquela confiança, de…

    Leia mais


    O Sol é Grande

    Sá Miranda
    O sol é grande, caem co’a calma as aves,
    do tempo em tal sazão, que sói ser fria;
    esta água que d’alto cai acordar-m’-ia
    do sono não, mas de cuidados…

    Leia mais


    Por estes Campos sem Fim

    Sá Miranda
    Por estes campos sem fim,
    onde a vista assim se estende,
    que verei, triste de mim,
    pois ver-vos se me defende?

    Todos estes campos cheios
    são de saudade e pesar,…

    Leia mais


    O Coração que Vos Vê

    Sá Miranda
    O coração que vos vê
    aos olhos que vos não vêem
    não nos culpem, que não têm
    alguma razão porquê.

    Cada hora este olhos canso
    por estes montes arriba
    que…

    Leia mais


    Quem aos Olhos Dar-me-á uma Vertente

    Sá Miranda
    Quem aos olhos dar-me-á uma vertente
    de lágrimas, que manem noite e dia?
    Ao menos a alma, enfim, respiraria,
    chorando, ora o passado, ora o presente.

    Quem me dará, longe…

    Leia mais


    Quando Eu, Senhora, em Vós os Olhos Ponho

    Sá Miranda
    Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho,
    e vejo o que não vi nunca, nem cri
    que houvesse cá, recolhe-se a alma a si
    e vou tresvaliando, como em…

    Leia mais


    Page 1 of 2
  • Next