Francisco Bingre

Portugal — Poeta

1763 // 1856

40 Poemas

  • Previous
  • Page 3 of 4
  • Next

  • Poemas

    Ao Tempo

    Francisco Bingre
    Levanta o pano, ó tragador das eras,
    A cena mostra das fatais desditas,
    Pois que no giro das paixões que incitas
    Tragar venturas, vorazmente, esperas.

    Do vário mundo que só ...

    Leia mais


    Amar sem Possuir é um Tormento

    Francisco Bingre
    Se a ti, onde Amor leva o pensamento,
    Meu triste coração levar pudesse,
    Dó terias, cruel, do que padece,
    S'inda em teu peito cabe sentimento.

    Amar sem possuir é um ...

    Leia mais


    Inverno

    Francisco Bingre
    Já na quarta estação final da vida
    Estou, do triste Inverno rigoroso.
    Fustigado do tempo borrascoso,
    Co'a saraiva das asas sacudida.

    Gelada tenho a fronte encanecida,
    O sangue frio, pálido ...

    Leia mais


    Paraíso

    Francisco Bingre
    Sala imensa de luz, que o pavimento
    Uma esmeralda é só, que tem por tecto
    Inteiriça safira, que o Arquitecto
    Supremo abobadou, com sábio invento.

    Trono dum só diamante, em ...

    Leia mais


    Inferno

    Francisco Bingre
    Há no centro da Terra ampla caverna,
    Reino imenso dos anjos rebelados,
    Lago horrendo de enxofres inflamados,
    Que acende o sopro da Vingança eterna.

    O seu fogo maldito é sem ...

    Leia mais


    Juízo

    Francisco Bingre
    Quando, nos quatro ângulos da Terra,
    Troarem as trombetas ressurgentes,
    Despertadoras dos mortais dormentes,
    Por onde um Deus irado aos homens berra:

    Prontos, num campo, em apinhada serra,
    Todos nus ...

    Leia mais


    A Minha Amada Será um Assombro de Beleza

    Francisco Bingre
    Muitos hão-de julgar que a minha amada
    Será um raro assombro de beleza.
    Porém, não é assim, à Natureza
    Ela só deve uma Alma bem formada.

    Os dotes pessoais de ...

    Leia mais


    Morte não é a Esquálida Caveira

    Francisco Bingre
    Morte não é a esquálida caveira
    Dura, disforme, seca e carcomida:
    Ela um destroço é, uma caída
    Da abreviada, racional carreira.

    De ossos e carne envernizada, inteira,
    Por vida tem ...

    Leia mais


    Conheço o Teu Poder e a Fouce Dura

    Francisco Bingre
    Conheço o teu poder e a fouce dura
    Que a tua dextra empolga assaz respeito.
    Sei que abaixo do sol tudo é sujeito
    A teu poder feroz, tua bravura.

    De ...

    Leia mais


    Água

    Francisco Bingre
    O líquido delgado e transparente
    Com que o barro amassou o Autor sob'rano,
    Da insigne construção do corpo humano,
    Que temperas do home o fogo ardente!

    Quando a chama se ...

    Leia mais


  • Previous
  • Page 3 of 4
  • Next