Francisco Bingre

Portugal — Poeta

1763 // 1856

40 Poemas

  • Previous
  • Page 2 of 4
  • Next

  • Poemas

    À Sua Velhice

    Francisco Bingre
    Meu corpo assaz tem sido espicaçado
    Com buídos punhais, por mão da Morte,
    Que arrebatado tem, da minha corte,
    Grande rancho de quanto tenho amado.

    Não me poupa a cruel ...

    Leia mais


    Outono

    Francisco Bingre
    Com a carga de frutos maus maduros,
    Nessa estação viril entrei do Outono.
    Bradou-me o Desengano, de seu trono:
    «Larga os pomos que trazes, tão impuros!

    «Não soubeste colher outros ...

    Leia mais


    Retrato das Mulheres em Todas as Idades

    Francisco Bingre
    Mulher, de quinze a vinte é fresca rosa;
    De vinte, a vinte e cinco é de exp'rimenta.
    De vinte cinco a trinta, a graça aumenta:
    Ditoso nesta idade quem a ...

    Leia mais


    Aquela que Cantei na Doce Lira

    Francisco Bingre
    Aquela que cantei na doce lira,
    Que já do Tempo estragos tem sentido,
    Inda veio, com seu garbo fingido,
    Tentar meu coração, que em paz respira.

    Mas, qual duro rochedo ...

    Leia mais


    A Inocência

    Francisco Bingre
    Caminhando no mundo vai segura
    A Inocência, com grave firme passo.
    Sem temor de cair no infame laço
    Que arma a traidora mão, a mão perjura.

    Como não obra mal, ...

    Leia mais


    Os Teus Beijos, Meu Bem, Tuas Carícias

    Francisco Bingre
    Os teus beijos, meu bem, tuas carícias,
    Teus afagos, teus íntimos abraços,
    São apertados nós que dás nos laços
    Que prendem nossas ditas vitalícias.

    Deixa gabar os deuses co'as delícias ...

    Leia mais


    À Discórdia

    Francisco Bingre
    Pouco importa amarrar com mão valente
    A Discórdia infernal, com cem cadeias,
    Que ela tem subtilezas, tem ideias
    De saber desligar-se facilmente.

    De que serve lançar limpa semente
    Em chão ...

    Leia mais


    Cegos como as Peças de Ouro Reluzentes

    Francisco Bingre
    A Fama, a Glória, as Armas, a Nobreza,
    A Ciência, o Poder e tudo quanto
    Em honra e distinção, de canto a canto,
    Encerra deste mundo a vã Grandeza,

    A ...

    Leia mais


    Podes, ó Tempo, Entrar: Eu Te Convido

    Francisco Bingre
    Podes, ó Tempo, entrar: eu te convido
    A ser hóspede meu, que eu nunca faço
    Distinção quando és bom ou mau, pois passo
    Os meus dias, de ti nunca esquecido. ...

    Leia mais


    Basta, não Posso Mais, Mundo Enganoso!

    Francisco Bingre
    Basta, não posso mais, Mundo enganoso!
    Findaram para mim teus vãos prazeres.
    Envelheci com eles, que mais queres
    Deste escravo ancião, fraco e rugoso?

    Se o teu carro triunfal puxei, ...

    Leia mais


  • Previous
  • Page 2 of 4
  • Next