Florbela Espanca

Portugal — Poetisa

8 Dez 1894 // 8 Dez 1930

Foi uma poetisa portuguesa. Sua poesia da mais alta qualidade era carregada de sofrimento, erotização, feminilidade e panteísmo. Suas principais obras são: Livro das mágoas (1919) e Livro de Sóror Saudade (1923). Fonte: Wikipedia.

134 Poemas

Page 1 of 14
  • Next

  • Poemas

    Se Tu Viesses Ver-me...

    Florbela Espanca
    Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
    A essa hora dos mágicos cansaços,
    Quando a noite de manso se avizinha,
    E me prendesses toda nos teus braços...

    Quando me lembra:…

    Leia mais


    Saudades

    Florbela Espanca
    Saudades! Sim.. talvez.. e por que não?...
    Se o sonho foi tão alto e forte
    Que pensara vê-lo até à morte
    Deslumbrar-me de luz o coração!

    Esquecer! Para quê?... Ah,…

    Leia mais


    Amar!

    Florbela Espanca
    Eu quero amar, amar perdidamente!
    Amar só por amar: Aqui... além...
    Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
    Amar! Amar! E não amar ninguém!

    Recordar? Esquecer? Indiferente!...…

    Leia mais


    A Vida

    Florbela Espanca
    É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
    Inútil o desejo e o sentimento...
    Lançar um grande amor aos pés d'alguém
    O mesmo é que lançar flores ao vento!…

    Leia mais


    Fanatismo

    Florbela Espanca
    Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida.
    Meus olhos andam cegos de te ver.
    Não és sequer razão do meu viver
    Pois que tu és já toda a minha vida!

    Não vejo…

    Leia mais


    Eu

    Florbela Espanca
    Eu sou a que no mundo anda perdida,
    Eu sou a que na vida não tem norte,
    Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
    Sou a crucificada ... a…

    Leia mais


    Horas Rubras

    Florbela Espanca
    Horas profundas, lentas e caladas
    Feitas de beijos rubros e ardentes,
    De noites de volúpia, noites quentes
    Onde há risos de virgens desmaiadas...

    Oiço olaias em flor às gargalhadas...
    Tombam…

    Leia mais


    Perdi os Meus Fantásticos Castelos

    Florbela Espanca
    Perdi meus fantásticos castelos
    Como névoa distante que se esfuma...
    Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
    Quebrei as minhas lanças uma a uma!

    Perdi minhas galeras entre os gelos
    Que…

    Leia mais


    Falo de Ti às Pedras das Estradas

    Florbela Espanca
    Falo de ti às pedras das estradas,
    E ao sol que e louro como o teu olhar,
    Falo ao rio, que desdobra a faiscar,
    Vestidos de princesas e de fadas;…

    Leia mais


    Alma a Sangrar

    Florbela Espanca
    Quem fez ao sapo o leito carmesim
    De rosas desfolhadas à noitinha?
    E quem vestiu de monja a andorinha,
    E perfumou as sombras do jardim?

    Quem cinzelou estrelas no jasmim?…

    Leia mais


    Page 1 of 14
  • Next