António Oliveira

Portugal — Poeta

30 Jul 1879 // 20 Dez 1960

4 Poemas

Principais Poemas

Mãe

António Oliveira
Olha, meu filho! quando, à aragem fria
De algum torvo crepúsculo, encontrares
Uma árvore velhinha, em modo e em ares
De abandono e outonal melancolia,

Não passes junto dela nesse…

Leia mais


A Despedida

António Oliveira
Três modos de despedida
Tem o meu bem para mim:
- «Até logo»; «até à vista»:
Ou «adeus» – É sempre assim.

«Adeus», é lindo, mas triste;
«Adeus» … A…

Leia mais


Pela Pátria

António Oliveira
Ouve, meu Filho: cheio de carinho,
Ama as Árvores, ama. E, se puderes,
(E poderás: tu podes quanto queres!)
Vai-as plantando à beira do caminho.

Hoje uma, outra amanhã, devagarinho.…

Leia mais


O Perfume

António Oliveira
O que sou eu? – O Perfume,
Dizem os homens. – Serei.
Mas o que sou nem eu sei...
Sou uma sombra de lume!

Rasgo a aragem como um gume…

Leia mais


Mais poemas de António Oliveira