Álvaro de Campos

Portugal

n. 15 Out 1890

100 Poemas

  • Previous
  • Page 2 of 10
  • Next

  • Poemas

    Aproveitar o Tempo

    Álvaro de Campos
    Aproveitar o tempo!
    Mas o que é o tempo, que eu o aproveite?
    Aproveitar o tempo!
    Nenhum dia sem linha...
    O trabalho honesto e superior...
    O trabalho à Virgílio, à…

    Leia mais


    A Minha Alma Partiu-se

    Álvaro de Campos
    A minha alma partiu-se como um vaso vazio.
    Caiu pela escada excessivamente abaixo.
    Caiu das mãos da criada descuidada.
    Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.…

    Leia mais


    Acordar

    Álvaro de Campos
    Acordar da cidade de Lisboa, mais tarde do que as outras,
    Acordar da Rua do Ouro,
    Acordar do Rocio, às portas dos cafés,
    Acordar
    E no meio de tudo a…

    Leia mais


    Não, não é Cansaço...

    Álvaro de Campos
    Não, não é cansaço...
    É uma quantidade de desilusão
    Que se me entranha na espécie de pensar,
    E um domingo às avessas
    Do sentimento,
    Um feriado passado no abismo...

    Não,…

    Leia mais


    Gostava de Gostar de Gostar

    Álvaro de Campos
    Gostava de gostar de gostar.
    Um momento... Dá-me de ali um cigarro,
    Do maço em cima da mesa de cabeceira.
    Continua... Dizias
    Que no desenvolvimento da metafísica
    De Kant a…

    Leia mais


    Começo a Conhecer-me. Não Existo

    Álvaro de Campos
    Começo a conhecer-me. Não existo.
    Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,
    ou metade desse intervalo, porque também há vida ...
    Sou isso, enfim…

    Leia mais


    Nunca Conheci quem Tivesse Levado Porrada

    Álvaro de Campos
    Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
    Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

    E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
    Eu tantas vezes irrespondivelmente…

    Leia mais


    Quando Olho para Mim não Me Percebo

    Álvaro de Campos
    Quando olho para mim não me percebo.
    Tenho tanto a mania de sentir
    Que me extravio às vezes ao sair
    Das próprias sensações que eu recebo.

    O ar que respiro,…

    Leia mais


    Lisbon Revisited (1923)

    Álvaro de Campos
    NÃO: Não quero nada.
    Já disse que não quero nada.

    Não me venham com conclusões!
    A única conclusão é morrer.

    Não me tragam estéticas!
    Não me falem em moral!

    Tirem-me…

    Leia mais


    O Sono

    Álvaro de Campos
    O sono que desce sobre mim,
    O sono mental que desce fisicamente sobre mim,
    O sono universal que desce individualmente sobre mim —
    Esse sono
    Parecerá aos outros o sono…

    Leia mais


  • Previous
  • Page 2 of 10
  • Next