A Fúria Mais Fatal e Mais Medonha
Francisco Bingre

Das Fúrias infernais foi sempre a Inveja

No mundo a mais fatal e a mais medonha,

Pois faz dos bens dos outros a peçonha

Com que a si mesma se envenena e peja.


Com ira e com furor, raivosa, arqueja,

Com vinganças, traições, com ódios sonha.

Onde quer que se encoste e os olhos ponha,

Tragar as ditas dos mortais deseja.


Mãe dos males fatais à Sociedade,

Vidas, honras destrói, cismas fomenta,

Nutrindo n'alma as serpes da Maldade.


O próprio coração que come a alenta,

Vive afogada em ondas de ansiedade,

Da frenética raiva se alimenta.