Pedro Tamen

Portugal — Poeta/Tradutor

n. 1 Dez 1934

14 Poemas

Page 1 of 2
  • Next

  • Poemas

    A Luz que Vem das Pedras

    Pedro Tamen
    A luz que vem das pedras, do íntimo da pedra,
    tu a colhes, mulher, a distribuis
    tão generosa e à janela do mundo.
    O sal do mar percorre a tua ...

    Leia mais


    Troco-me por Ti

    Pedro Tamen
    Troco-me por ti
    Na brasa da fogueira mal ardida
    renovo o fogo que perdi,
    acendo, ascendo, ao lume, ao leme, à vida.

    E só trocado, parece, por não ser
    na ...

    Leia mais


    Devagar te Amo

    Pedro Tamen
    Devagar te amo, e devagar assomo
    os dedos à altura dos olhos, do cabelo
    dos anéis de outro turno, que é só meu
    por querê-lo, meu amor, como a ti ...

    Leia mais


    Quero-te de Branco, Meu Amor

    Pedro Tamen
    Quero-te de branco,
    ou antes, modelada
    nas roupas que cosesses
    das bonecas, nos saltos,
    nos baloiços, nos degraus
    de uma porta qualquer donde saísses.
    Quero-te de branco e intocada,
    carregada ...

    Leia mais


    Escrito de Memória

    Pedro Tamen
    Formado em direito e solidão,
    às escuras te busco enquanto a chuva brilha.
    É verdade que olhas, é verdade que dizes.
    Que todos temos medo e água pura.

    A que ...

    Leia mais


    Não sei, Amor, sequer, se te Consinto

    Pedro Tamen
    Não sei, amor, sequer, se te consinto
    ou se te inventas, brilhas, adormeces
    nas palavras sem carne em que te minto
    a verdade intemida em que me esqueces.

    Não sei, ...

    Leia mais


    Não Tenho para Ti Quotidiano

    Pedro Tamen
    Não tenho para ti quotidiano
    mais que a polpa seca ou vento grosso,
    ter existido e existir ainda,
    querer a mais a mola que tu sejas,
    saber que te conheço ...

    Leia mais


    O Mar é Longe, mas Somos Nós o Vento

    Pedro Tamen
    O mar é longe, mas somos nós o vento;
    e a lembrança que tira, até ser ele,
    é doutro e mesmo, é ar da tua boca
    onde o silêncio pasce ...

    Leia mais


    Não Digo do Natal

    Pedro Tamen
    Não digo do Natal – digo da nata
    do tempo que se coalha com o frio
    e nos fica branquíssima e exacta
    nas mãos que não sabem de que cio ...

    Leia mais


    Amigo, a que Vieste?

    Pedro Tamen
    Onde foste ao bater das quatro horas
    e, antes, quem eras tu, se eras?
    Amigo ou inimigo, posso falar-te agora
    sentado à minha frente e com os ombros
    vergados ao ...

    Leia mais


    Page 1 of 2
  • Next