Pedro Homem de Mello

Portugal — Poeta/Professor/Folclorista

6 Set 1904 // 5 Mar 1984

31 Poemas

  • Previous
  • Page 2 of 4
  • Next

  • Poemas

    Pátria

    Pedro Homem de Mello
    A Pátria não é apenas
    Um corpo de bailador.
    Não são duas mãos morenas
    Nem mesmo um beijo de amor
    Mais do que os livros que lemos,
    Mais que os…

    Leia mais


    Resgate

    Pedro Homem de Mello
    Não sou isto nem aquilo
    É o meu modo de viver
    É, às vezes, tão tranquilo
    Que nem chega a dar prazer...
    Todavia, onde apareço,
    Logo a paz desaparece
    E…

    Leia mais


    Realidade

    Pedro Homem de Mello
    Fomos longe demais, para voltar
    Aos antigos canteiros onde há rosas.
    Em nós, o ouvido, quase e, quase, o olhar
    Buscam nas cores vozes misteriosas...

    Mas o mistério é flor…

    Leia mais


    Mistério

    Pedro Homem de Mello
    Teu corpo veio a mim. Donde viera?
    Que flor? Que fruto? Pétala indecisa...
    Rima suave: Outono ou Primavera?
    Teu corpo veio como vem a brisa...

    Rosa de Maio, encastoada em…

    Leia mais


    Aleluia

    Pedro Homem de Mello
    Era a mulher — a mulher nua e bela,
    Sem a impostura inútil do vestido
    Era a mulher, cantando ao meu ouvido,
    Como se a luz se resumisse nela...
    Mulher…

    Leia mais


    Os Poetas

    Pedro Homem de Mello
    Nunca os vistes
    Sentados nos cafés que há na cidade,
    Um livro aberto sobre a mesa e tristes,
    Incógnitos, sem oiro e sem idade?

    Com magros dedos, coroando a fronte,…

    Leia mais


    Juventude

    Pedro Homem de Mello
    Lembras-te, Carlos, quando, ao fim do dia,
    Felizes, ambos, íamos nadar
    E em nossa boca a espuma persistia
    Em dar ao Sol o nome do Luar?

    Tudo era fácil, melodioso…

    Leia mais


    Últimas Vontades

    Pedro Homem de Mello
    Na branca praia, hoje deserta e fria,
    De que se gosta mais do que de gente,
    Na branca praia, onde te vi um dia
    Para sonhar, já tarde, eternamente,

    Achei…

    Leia mais


    Adolescentes

    Pedro Homem de Mello
    Exaustos, mudos, sempre que os vejo,
    Nos bancos tristes que há na cidade,
    Sobe em mim próprio como um desejo
    Ou um remorso da mocidade...

    E até a brisa, perfidamente…

    Leia mais


    Divórcio

    Pedro Homem de Mello
    Cidade muda, rente a meu lado,
    Como um fantasma sob a neblina...
    Há cem mil rostos. Tanto soldado
    E tanto abraço desesperado
    Nesta cidade tão masculina!

    Cidade muda como um…

    Leia mais


  • Previous
  • Page 2 of 4
  • Next