Na Ponta dos Dedos
Jorge Melícias
Na ponta dos dedos
batem as palavras sísmicas.

E a testa abre-se profusamente
à força do nome.

Só aquele que escreve infunde o prodígio,

respira ao cimo com a luz nos pulmões,

Atravessa como se florisse nos abismos.