Hei-de Tomar-te
Luís Vaz Camões

Lindo e subtil trançado, que ficaste

Em penhor do remédio que mereço,

Se só contigo, vendo-te, endoudeço,

Que fora co'os cabelos que apertaste?


Aquelas tranças de ouro que ligaste,

Que os raios de sol têm em pouco preço,

Não sei se para engano do que peço,

Ou para me matar as desataste.


Lindo trançado, em minhas mãos te vejo,

E por satisfação de minhas dores,

Como quem não tem outra, hei-de tomar-te.


E se não for contente o meu desejo,

Dir-lhe-ei que, nesta regra dos amores,

Por o todo também se toma a parte.